Receita Federal em Foz do Iguaçu destina smartphones à Unicentro

Publicado em: 16/07/2020 - 17:10

Início » ECONOMIA » Notícias » RECEITA FEDERAL » Receita Federal em Foz do Iguaçu destina smartphones à Unicentro

A iniciativa possibilitará que estudantes realizem atividades on-line ou remotas nos cursos de graduação

Nesta semana, a Alfândega da Receita Federal em Foz do Iguaçu (PR) destinou, conforme a legislação vigente, 300 smartphones à Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro). Os eletrônicos – resultado de fiscalizações e apreensões realizadas na região pela Receita Federal e pelos órgãos de segurança locais – serão utilizados no programa de aulas remotas da Universidade.

As atividades acadêmicas presenciais estão suspensas pela Unicentro desde 17 de março, a fim de garantir o distanciamento social recomendado pelas autoridades sanitárias. Para evitar maiores prejuízos à comunidade acadêmica, a universidade optou pela adoção de atividades on-line e remotas nos cursos de graduação.

Segundo o reitor da Instituição, Dr. Fábio Hernandes, uma parcela dos alunos, em especial os mais carentes, enfrenta dificuldade de acesso a recursos como internet e equipamentos eletrônicos, essenciais para a utilização dos aplicativos que transmitem as aulas.

A Unicentro está localizada em Guarapuava (PR) e dispõe de 41 cursos de graduação, divididos em cinco áreas de conhecimento, diversos cursos de pós-graduação em nível de especialização lato sensu e 23 programas stricto sensu, sendo 17 cursos de mestrado e seis de doutorado.

Os eletrônicos foram avaliados em R$ 178,6 mil e serão patrimoniados na instituição. Mesmo após o retorno das aulas presenciais, os equipamentos continuarão à disposição da universidade.

A Alfândega da Receita Federal de Foz do Iguaçu informa que os postos de fiscalização e as equipes volantes seguem no combate aos crimes transfronteiriços, o Centro de Atendimento aos Contribuintes (CAC) recebeu reforços e os bens apreendidos continuam sendo destinados para o auxílio no combate à Covid-19.

Fonte: Ministério da Economia