Grupo Orzil -

Orzil nas redes

Vitória, Espírito Santo: os 470 anos da capital capixaba!

Publicado em: 08/09/2021 - 11:58

Início » .EXECUTIVO » Notícias » TURISMO » Vitória, Espírito Santo: os 470 anos da capital capixaba!

Cidade, também conhecida como a “Ilha do Mel”, oferece variados atrativos naturais, culturais e gastronômicos e comemora aniversário com uma programação especial
06-09-21 MOSAICO ANIVERSÁRIO VITÓRIA ES.png

Moqueca Capixaba, Catedral Metropolitana, Curva da Jurema e Praia do Canto, alguns dos atrativos de Vitória. Crédito: Banco de Imagens do MTur

Esta quarta-feira (08.09) é dia de soprar velinhas para uma das três capitais brasileiras localizadas em ilhas – juntamente com Florianópolis (SC) e São Luís (MA) – e que proporciona variados atrativos. Fundada no ano de 1551, Vitória, no Espírito Santo, proporciona passeios repletos de cultura, belezas naturais e delícias gastronômicas. E para percorrer algumas das riquezas da “Ilha do Mel”, nada melhor que ouvir dicas de quem conhece bem a cidade.

Convidada pela Agência de Notícias do Turismo, a guia de turismo Aline Ricardo recomenda inicialmente uma visita ao Centro Histórico. Lá, é possível contemplar espaços emblemáticos da terceira capital mais antiga do país, atrás de Recife e de Salvador. “O Centro Histórico conta com vários monumentos. Entre eles, a Catedral Metropolitana, onde está a padroeira da capital, Nossa Senhora da Vitória; o Convento de São Francisco e o Teatro Carlos Gomes”, enumera.

Belas vistas e muita natureza também compõem o cardápio de opções. Neste sentido, a guia de turismo indica alguns dos diversos parques da cidade, que proporcionam paisagens panorâmicas. “O Parque da Fonte Grande possui vários mirantes, de onde pode ser avistada toda a cidade de Vitória e vizinhas, como Vila Velha e Cariacica. Tem também o Parque Gruta da Onça, com uma trilha para a Pedra da Baleia, onde pode ser vista toda a Baía de Vitória”, explica.

No quesito praias, não faltam alternativas na grande porção litorânea de Vitória. Segundo a guia, uma delas é a de Camburi, a maior da capital e uma das mais procuradas, sendo a única situada na área continental da cidade. “A Praia de Camburi conta com vários quiosques, que garantem a diversão dos turistas. Vitória tem uma orla bem extensa, que inclui ainda a Curva da Jurema, a Praia da Guarderia, a Ilha do Frade e a Ilha do Boi”, cita Aline.

O visitante também pode provar a iguaria gastronômica que faz a fama do Espírito Santo: a Moqueca Capixaba. Diferentemente de outras, ela leva urucum, azeite de oliva e é servida em panelas de barro artesanais. “Na Ilha das Caieiras há vários restaurantes. E tem as paneleiras de Goiabeiras, onde o visitante presencia como é feita a panela de barro”, orienta, referindo-se ao ofício reconhecido como Patrimônio Cultural do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Para encerrar o roteiro por Vitória, Aline Ricardo recomenda ao turista alternativas que garantem uma boa diversão noturna. “Para quem gosta de curtir barzinhos à noite, Vitória tem como ponto principal o Triângulo das Bermudas, que fica na Praia do Canto, com diversos bares e boates”, aponta. A guia lista ainda as famosas ruas da Lama e da Laminha, no bairro Jardim Camburi, que também abrigam inúmeras opções do tipo.

PROGRAMAÇÃO – Em comemoração ao aniversário, a Prefeitura Municipal preparou uma grande agenda cultural, que se estenderá por setembro (Confira aqui). Nesta quarta-feira, houve missa na Catedral Metropolitana, que também celebra o Dia de Nossa Senhora da Vitória. Será aberta ainda a exposição fotográfica “Vitória 470”, na Casa Porto das Artes Plásticas, no Centro, reunindo fotografias e documentos que ajudam a retratar a longa história da cidade.

HISTÓRIA – A fundação de Vitória começou 34 anos após o descobrimento do Brasil, em 1500. Explorando a região, portugueses buscaram um local seguro para se proteger de indígenas e outros estrangeiros. Seguiram, então, pela Baía de Vitória e, em 1551, depois de vencerem índios Goitacazes, chamaram o local de “Ilha de Vitória”. O apelido “Ilha do Mel” vem dos indígenas, pelas águas tranquilas da região e um manguezal repleto de moluscos, peixes e pássaros.

fonte

Por André Martins

Assessoria de Comunicação do Ministério do Turismo